quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Um Meio ou uma Desculpa

 
Estarei de plantão no dia 31 de dezembro," na virada", enquanto a grande maioria comemora!!!
Trabalho em dias que todos estão de folga..... folgo quando todos trabalham, entretanto,  trabalho contente sempre!
A  vida é uma caixinha de surpresas.... Não se pode ter tudo, temos que abrir "mão" de algumas coisas para se ter outras e assim vou caminhando e buscando as melhores alternativas para as minhas necessidades e aos que estão ao meu redor. Feliz ano novo para todos!


Um Meio ou uma Desculpa
"Não conheço ninguém que conseguiu realizar seu sonho, sem sacrificar feriados e domingos pelo menos uma centena de vezes.
Da mesma forma, se você quiser construir uma relação amiga com seus filhos, terá que se dedicar a isso, superar o cansaço, arrumar tempo para ficar com eles, deixar de lado o orgulho e o comodismo.
Se quiser um casamento gratificante, terá que investir tempo, energia e sentimentos nesse objetivo.
O sucesso é construído à noite!
Durante o dia você faz o que todos fazem.
Mas, para obter um resultado diferente da maioria, você tem que ser especial.
Se fizer igual a todo mundo, obterá os mesmos resultados.
Não se compare à maioria, pois, infelizmente ela não é modelo de sucesso.
Se você quiser atingir uma meta especial, terá que estudar no horário em que os outros estão tomando chope com batatas fritas.
Terá de planejar, enquanto os outros permanecem à frente da televisão.
Terá de trabalhar enquanto os outros tomam sol à beira da piscina.
A realização de um sonho depende de dedicação, há muita gente que espera que o sonho se realize por mágica, mas toda mágica é ilusão, e a ilusão não tira ninguém de onde está, em verdade a ilusão é combustível dos perdedores pois...
Quem quer fazer alguma coisa, encontra um MEIO.
Quem não quer fazer nada, encontra uma DESCULPA."
Roberto Shinyashiki



                                                                    O Amor



Talvez
Quem sabe
Um dia
Por uma alameda
Do zoológico
Ela também chegará
Ela que também
Amava os animais
Entrará sorridente
Assim como está
Na foto sobre a mesa
Ela é tão bonita
Ela é tão bonita
Que na certa
Eles a ressuscitarão
O século trinta vencerá
O coração destroçado já
Pelas mesquinharias
Agora vamos alcançar
Tudo o que não
Podemos amar na vida
Com o estrelar
Das noites inumeráveis
Ressuscita-me
Ainda
Que mais não seja
Porque sou poeta
E ansiava o futuro
Ressuscita-me
Lutando
Contra as misérias
Do cotidiano
Ressuscita-me por isso
Ressuscita-me
Quero acabar de viver
O que me cabe
Minha vida
Para que não mais
Existam amores servis
Ressuscita-me
Para que ninguém mais
Tenha de sacrificar-se
Por uma casa
Um buraco
Ressuscita-me
Para que a partir de hoje
A partir de hoje
A família se transforme
E o pai
Seja pelo menos
O Universo
E a mãe
Seja no mínimo
A Terra
A Terra
A Terra

( Caetano Veloso - canta:Gal Costa)

sábado, 22 de dezembro de 2012

Imagens Natalinas





Quero ver você não chorar
Não olhar pra trás
Nem se arrepender do que faz



Quero ver o amor vencer
Mas se a dor nascer
Você resistir e sorrir
Se você pode ser assim
Tão enorme assim
Eu vou crer


Que o Natal existe
Que ninguém é triste
Que no mundo há sempre amor
Bom Natal, um Feliz Natal
Muito amor e paz pra você
Pra você!





Bom Natal - Composição: Edson Borges

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Estupidamente simples

"Surpresinha de gelatina"

É tão fácil, infantil e deliciosa...

Forre o fundo das tacinhas (quantas quiser fazer) com leite condensado;
faça a gelatina como a caixa recomenda ( eu faço no microondas: dissolvo uma caixinha em 250ml de
água em um recipiente de vidro, levo por 3min. no microondas, mexo bem e acrescento mais 250 ml de
água gelada) coloque delicadamente por cima do leite condensado e leve para gelar...uma verdadeira surpresa na gelatina!
Forrando as tacinhas
Pronta para gelar


segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Cara a cara


Quero ver a sua cara, Quando um belo dia, Nos acasos desta vida, Só por ironia, A vida nos deixar, Cara a cara outra vez. Você vai estar marcada, Com certeza, Pois o tempo não perdoa E destroi a beleza, O tempo é que nos faz, Todos iguais. Você vai procurar então, Ver no meu rosto, O que ficou Do meu velho desgosto, Das coisas todas, Que você me fez. E então, Num riso descarado, Vou lhe dizer, Não tenho mais passado, Eu me esqueci de vez, Do seu amor. Quero ver o seu cabelo branco E desarrumado, Seu sorriso entristecido, Falso e desbotado, E suas mãos cansadas, De tanto lutar, Quero ver no seu olhar, Um pouco de loucura, E sentir na sua voz, Um tanto de amargura, Remorso, Pelo que você me fez. Talvez, Eu vá sentir então, Um pouco de piedade, Quando notar que a felicidade, Você não teve, A vida lhe negou, Vou rir, Meu riso debochado, Quando souber Que tudo deu errado, Que era eu por fim, Seu grande amor. Quero ver a sua cara, Quando eu for sincero, E lhe disser Que ainda lhe quero, E lhe disser Que eu ri, pra não chorar. E então, Juntar os pedaços da gente, Beijar você Apaixonadamente, E ser feliz Pela primeira vez. E então, Juntar a tristeza da gente, Beijar você Num beijo doce e quente, E ser feliz Pela primeira vez. E então, Juntar o que resta da gente, Beijar você De um jeito diferente, Fazer o amor Que a gente ainda não fez.
(Nelson Gonçalves)
De:

                          Carlos Colla e Lúcio Nascimento



domingo, 9 de dezembro de 2012

Guerreiro Menino

Um homem também chora
Menina morena
Também deseja colo
palavras amenas
Precisa de carinho
Precisa de ternura
Precisa de um abraço
da própria candura

Gerreiros são pessoas
são fortes, são frágeis
Gerreiros são meninos
por dentro do peito
Precisam de um descanso
Precisam de um remanso
Precisam de um sonho
que os tornem perfeitos

É triste ver meu homem
guerreiro menino
com a barra do seu tempo
com o nosso ideal
São frases perdidas num mundo
por sobre seus ombros
Eu vejo que ele sangra
Eu vejo que ele berra
a dor que tem no peito
pois ama e ama

Um homem se humilha
se castram seus sonhos
Seu sonho é sua vida
e vida é trabalho
E sem o seu trabalho
o homem não tem honra
E sem a sua honra
se morre, se mata

Não dá pra ser feliz,
não dá pra ser feliz...

Gonzaguinha